Festa de casamento sem crise

FESTA DE CASAMENTO SEM CRISE

Entra crise, sai crise e o mercado de casamento no Brasil não perde o fôlego. Festa de casamento sem crise é o que a gente viu e vê país, graças à Deus!

Apesar da recente “sofrência” econômica nacional, houve aumento de 25% no mercado de noivas em 2017, segundo pesquisa do Instituto Data Popular e da Associação Brasileira de Eventos Sociais (Abrafesta). O que, por tabela, aqueceu o setor.

Festa de casamento sem crise
Festa de casamento sem crise

No mesmo ano, o mercado de festas e cerimônias movimentou R$ 17 bilhões no Brasil. A região Sudeste foi responsável por 51% das festas de casamento no país movimentando cerca de R$ 8,8 além de apresentar  crescimento de 20% nos últimos cinco anos. Na sequência, a região Nordeste com R$ 3,1 bi. O Sul movimentou R$ 3 bi enquanto que a região Centro-Oeste girou em R$ 1,3 bi e a Norte apresentou R$ 1 bilhão de movimentação.

Leia também: Números de casamentos oficiais no Brasil

No Nordeste, só em Pernambuco, um dos estados mais atuantes na expansão do mercado de casamento, foram 1.106.44 eventos do gênero nos últimos três anos, sendo que 9.373 deles aconteceram na capital, Recife. Quem diz é o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, o famoso IBGE.

Para você ter noção do ritmo do segmento, há 3 anos atrás, mais de 1,1 milhão de cerimônias foram realizadas no país. É ou não é para vibrar com um negócio desses? Haja champanhe para celebrar tanto amor!

Segundo o World Happiness Report” (relatório mundial de felicidade), feito pela empresa de opinião Gallup, o Brasil ocupa a 32ª posição, com uma média de felicidade de 6,3 numa escala de 0 à 10, ou seja, o brasileiro é feliz e adora uma festa. Nosso povo não perde uma chance de celebrar! Assim, é fácil entender as razões do setor não deixar a peteca cair.

Os bons índices não querem dizer que o ramo não sentiu a instabilidade, mas sinalizam que o mercado de casamento teve “jogo de cintura” para “dançar conforme a música” e encontrar soluções viáveis para manter-se na “crista da onda”.

Festa de casamento sem crise
Festa de casamento sem crise

Falando em saídas inteligentes para driblar os baixos do setor, casar durante o dia foi uma delas. E se as celebrações durante o dia estão em alta, é a hora de apostar em roupas mais leves, mais românticas.  

Muitos casais optaram por uma pegada mais informal de cerimônia, de manhã ou à tarde, no campo ou praia, abrindo mais possibilidades para bufês, produtores de eventos, decoradores, entre outros serviços.

Um segredo para quem quer se dar bem na área é fazer investimentos em tecnologia e inovação com qualidade, sempre! Prova disso é que o mercado de casamento está apostando cada vez mais em soluções para eles, os futuros maridos. Novidades estão por toda a parte e o melhor é o os homens, antes ausentes desse processo, agora estão imergindo no universo do casamento.

O mundo do casamento está repleto de ternos, sapatos, gravatas, blazers, dia do noivo, tratamento de beleza específico para eles e acessórios que não deixam nada a desejar em relação às noivas. São inúmeras alternativas para dar um up no visual do grande dia.

Outro seguimento que não para de crescer é a padronização e personalização de padrinhos e madrinhas. Isso está criando um efeito interessante tanto na celebração quanto nas fotos oficiais das bodas através do Dress Code.

E o que é Dress Code? Traduzido do inglês, é um código de vestimenta, um conjunto de regras com relação a roupas dos padrinhos e madrinhas. Os códigos de vestimenta variam de acordo com o propósito, circunstâncias, horários e ocasiões. Sabe aquelas madrinhas vestidas com modelitos iguais ou mesma cor? Os padrinhos usando o mesmo modelo e cor de gravatas? Pronto. Isso é um Dress Code.

Leis sobre Dicas para convidar padrinhos de casamento

Outra porta de inovação e faturamento são as feiras de casamento. Algumas dessas feiras são verdadeiros espetáculos, grandes festas com apresentações, degustações e desfiles. Elas ditam tendências e os casais amam visitar espaços assim.

Altos e baixos existem, mas a crise pode e deve ser uma oportunidade de mudar, melhorar e reinventar o negócio. Claro que investir em meio a instabilidade do mercado é um risco, mas todo empreendedor sabe que correr riscos calculados faz parte do processo de crescimento. Como disse Alfred Blalock, um cirurgião norte-americano, “Onde você vê riscos, eu vejo oportunidades”.

Sucesso, lindas festas e bons negócios!